O sistema nervoso e o treino de musculação

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O sistema nervoso e o treino de musculação

Mensagem  cupertino em Seg Maio 14, 2012 10:36 am


Neste artigo, iremos dar uma vista de olhos a algumas áreas que dizem respeito ao sistema neuromuscular relativas ao exercício de resistência.

Treinando até à falha

Se treinar até a falha ou não, é mais produtivo, parece ser algo individualista, baseada na preferência pessoal e outros possíveis factores físicos ou mentais. No entanto, existem alguns pontos que têm sido estudados pela pesquisa.

O “SNC” (Sistema Nervoso Central) é erradamente acusado de falhar durante um “série até à falha” (1). Em contracções isoladas, os estudos não suportam essa ideia. Durante uma série de contracções intermitentes , saída supra-espinhal tem sido estudada, complementando as contracções com a adição de corrente eléctrica (2,3). Mesmo ao ponto da fadiga, tem sido verificado que o ponto de falta de força encontra-se localmente no sistema muscular (4, 18). Normalmente, nos sistemas de acoplamento de excitação / contracção.

A utilização demasiado frequente ou a longo prazo do treino até á “falha” tem sido teoricamente mais associada à fadiga do SNC em geral (23). Ocorrem provavelmente mudanças ​​nos neurotransmissores semelhantes às verificadas quando um indivíduo experimenta qualquer sobrecarga de stress emocional. O meu argumento é que a diferença reside na forma “como” uma pessoa usa o treino até à “falha”.

Se um indivíduo está relaxado e trabalha os músculos até que eles “falhem”, será induzido menos stress sistemática seria. No entanto, se uma pessoa leva a série até à falha num estilo de “vida ou morte” e faz os possíveis e impossíveis para realizar mais repetições, isso seria muito mais stressante para o SNC e sistema endócrino (15).

Recrutamento

Já foram escritos, e têm sido escritos muitos textos acerca deste assunto. J á que se trata de um tema que tem sido minuciosamente estudado durante décadas. Os destaques básicos são os seguintes:

As fibras musculares humanas são utilizadas num estilo de “tudo ou nada “. Ou existe sinal suficiente para recrutar uma unidade motora, onde ela é “activada” ou não. Uma vez que uma fibra é recrutada, ela é activada com diferentes frequências para alterar a sua força. Um aumento gradual da força irá fazer com que uma seja fibra recrutada na sua frequência de codificação mais baixa taxa.

À medida que as exigências de força aumentam, também aumenta o rácio de codificação. Isso aumentaria a tensão da fibra. No entanto, se uma fibra é recrutada a uma certa tensão, e o nível de fadiga aumenta, o rácio de codificação será aumentado apenas para «manter» a tensão necessária.

O recrutamento é ordenado, baseado no tamanho da unidade motora (16, 17). Ele aumenta da menor para a maior. A força momentânea necessária (5), com base na percentagem do esforço momentâneo máximo (6) determina o número necessário de unidades motoras para a tarefa. A maioria das unidades motoras de maior tamanho, consistem em fibras FT, embora o tipo de fibra não seja a razão em si.

O recrutamento completo ocorre antes da força total ter sido alcançada (21, 22). Dependendo das estruturas musculares envolvidas, o recrutamento completo ocorre entre os 40-90% do esforço total (7).

O aumento da força após ter ocorrido o recrutamento completo, é gerado pelo “rácio de codificação” (13), e sincronização das unidades motoras. Estes são os métodos de manipulação neural onde o sistema nervoso central “dispara” as fibras a um ritmo mais rápido ou tem mais unidades motoras ‘activas’ em qualquer ponto do tempo. O rácio típico de da frequência de codificação pode variar dos 10-20 hz até aos 50 hz ou mais. No entanto, cada fibra só pode gerar a sua tensão máxima momentânea, mas esta tensão é gerada a um rácio mais elevado. Isso faz com que mais fibras se encontrem “activas” em qualquer ponto do tempo, aumentando assim a força total.

Activação

Este termo é usado para descrever a quantidade de potencial de força máxima que um indivíduo é capaz de gerar com o seu próprio esforço volitivo. Os indivíduos bastante motivados geralmente são capazes de activar a sua musculatura na totalidade (8, 10, 11). Aqueles que não conseguem, estão muito próximos da activação completa e geralmente podem alcançar a activação completa com a prática (9, 20).

Isto significa que, a maioria de nós é capaz de não só recrutar todas as unidades motoras, como também atingir a força voluntária máxima. Isto é tipicamente testado comparando a força voluntária gerada com o máximo de força obtida por estimulação eléctrica.

Ganhos de “força” neurais

Isto está relacionado com o conceito da ‘força sem tamanho’ conceito, onde o desempenho e / ou resistência aumenta sem ganhos evidentes na área transversal (massa muscular). (CSA) Uma vez que a maioria dos indivíduos é capaz de activar a sua musculatura na totalidade, à primeira vista, não haveria margem de manobra para aumentos de força baseados apenas nos mecanismos neurais, mas existem, de facto, outros meios.

1.Os Indivíduos que não podem activar completamente sua musculatura, irão desenvolver essa capacidade em pouco tempo (8, 9, 10, 11).
2.A redução das contracções antagónicas irão permitir a geração de força eficiente pelo agonista (s) (19).
3.A coordenação de músculos estabilizadores irá permitir contracções mais efectivas e eficientes.
4.O aumento dos caminhos metabólicos e / ou reservas de glicogénio.
5.O aumento da aptidão cardio-vascular irá permitir um melhor “limpeza de resíduos metabólicos.
6.Uma maior tolerância à dor permitirá um desempenho mais “intenso”.
Nota: O 4-6 normalmente traduz-se num aumento do TUL ou do número de repetições, em vez da força “real” em si

Temperatura intra-muscular (Aquecimentos)

A temperatura é um factor de preocupação tanto para o sistema nervoso como para os músculos. O sistema nervoso funciona de forma mais eficiente a uma temperatura mais baixa (14) do que os próprios músculos.

Esperemos que esta informação possa ajudar a explicar algumas das ideias mais simples de como o sistema nervoso se relaciona com as contracções musculares e actividades de treino com pesos. Podem ser obtidas informações mais detalhadas a partir de muitos textos universitários acerca do assunto. A maioria das informações descritas neste artigo, podem ser encontradas, com referências relevantes, no livro de Roger M. Enoka’s ”Neuromechanics of Human Movement” e no texto de Komi´s “Strength and Power in Sport”.

Fonte: weightrainer.net

___________________________________________________
SEJA GRANDE, SEJA FORTE, SEJA BIGMONSTRO Twisted Evil




cupertino
MODERADOR MASTER
MODERADOR MASTER

Mensagens : 1430
Data de inscrição : 27/03/2011
Idade : 31
Localização : Templo Gym

http://www.bodynet.com.br/bigmonstro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum