IRS a nível celular

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

IRS a nível celular

Mensagem  Helcio em Sex Fev 15, 2013 3:07 pm

IRS a nível celular

Nossos corpos e músculos têm um co-fator de proteína chamado "Ubiquitina" que liga-se, e deixa marcas de destruição, nas proteínas musculares. Este marcador a ubiquitina é como um avaliador para uma enzima protease IRS, chamado "Proteassoma". O Proteassoma digere as proteínas ubiquitina marcadas em aminoácidos simples.

O único propósito da ubiquitina e proteassoma parece ser o de evitar o excessivo ganho de massa muscular. O resultado é tentativas significativas em colocar mais limitações sobre aqueles que trabalham muito duro para o progresso. (Eu avisei que, assim como o IRS). Desde que essa atividade "pode" resultar em produção de energia ou eventual reparação possível, poderíamos chamar de caminho "ubiquitina -proteassoma".
Mas certamente não é eficaz ou benéfica para aqueles que fazem o trabalho. Será que eu mencionei o IRS? A moral desta história é que quando se lida tanto com o IRS ou o caminho "Ubiquitina-proteassoma", todos os esforços devem ser feitos para jogar bem.
O "ubiquitina-proteassoma " é o mecanismo químico mais catabólico que o corpo tem. A piada cósmica é treinar bastante para desencadear uma resposta adaptativa resultando em anabolismo e crescimento muscular. Mas o treinamento aumenta a acidose e a produção de cortisol enfatizando as atividades da ubiquitina-proteassoma ainda mais.
A piada a esta brincadeira de mau gosto é que a atividade da Ubiquitina-proteassoma é dependente de ATP para a energia também. Mas mesmo quando os níveis celulares de ATP são muito baixos, ela ainda funciona muito bem.
A razão pela qual nós nos esforçamos para entender esses eventos celulares é aprender como usá-los a nosso favor ou negar seus efeitos negativos. É toda a ação e reação. Isto é como pessoas comuns se tornam extraordinários fisiculturistas.

COMEÇAR NA FONTE

Quase a qualquer momento a regeneração do baixo ATP celular é um problema, a suplementação de creatina é utilizada como a primeira linha de defesa. Você sabia que uma carga de creatina monohidratada de apenas cinco gramas, 4 vezes por dia durante cinco dias consecutivos resultam em um aumento de 11 a 14% de CPe um aumento de 9% em ATP intracelular? (YUP) A diária dose de 5 a 8 gramas de manutenção geralmente mantém este aumento. Grande coisa! Um aumento 11 a 14% em CP e aumento de 9% em ATP também significa um aumento correspondente na atividade dos receptores de androgênios e diminuição no catabolismo. Claro que aqueles indivíduos que utilizam EAA, Insulina, IGF-1, Clenbuterol, efedrina, hormônios da tireóide e / ou outras drogas específicas realizam muito mais elevados aumentos celulares dos níveis de CP / ATP . Sim, todas essas drogas requerem ATP para desencadearem respostas máximas também.
A melhor carga de saturação é de 0,3 g/kg por dia quando se utiliza a creatina mono-hidratada e uma dose de manutenção diária de 5 a 10 gramas. Assim, um atleta de 100kg iria consumir 30 gramas de creatina monohidratada em 3 a 6 doses divididas, durante 5 a 7 dias, em seguida, usar 5 a 10 gramas por dia depois. (Apenas creatina de alta qualidade por favor)
2 gramas diárias de creatina monohidratada não manterão elevado os níveis de CP / ATP . Para manter o estoque de CP normal do corpo naturalmente produzimos 2000 mg/2g de creatina livre diária, mas pára quando a suplementação de creatina é utilizada. 1000 mg de "mono" creatina contém apenas 850 a 880 mg de creatina livre. Faça as contas, haveria um déficit diário de cada ingestão suplementar de 2000mg/2g diária. A creatina pode retardar o ácido lático e a acidose. (Pense sobre isso quando você lê)

GLUTAMINA

A glutamina é o aminoácido mais abundante no nosso corpo e células musculares. Na verdade, a "média" (essas coisas de "média", obviamente não se aplicam a você ou eu) o indivíduo deve consumir ou produzir 50 a 120 gramas diárias deste NÃO-()? aminoácido essencial.
Como vocês se lembram, o corpo usa glutamina para escoltar amônia tóxica para fora dos tecidos e do corpo. Mas isso é apenas uma pequena parte das capacidades deste aminoácido legal.
(Alguns outros se relacionam com a nossa questão principal) 25g de glutamina ingerida por via oral reduz o cortisol em 26,9%, aumenta o IGF-1 101,32%, e LH 15% no nível de plasma. A Glutamina repõe no músculo e no fígado o glicogênio tão eficazmente como carboidratos enquanto diminui a necessidade de insulina para acionar a volumização da célula muscular sem aumentar as reservas de gordura.
Isso obviamente significa mais nutrientes são puxados para dentro da célula também. 0,2 a 0,6 g / kg por dia de glutamina suplementam e fornecem um equilíbrio positivo de azoto (ambiente de cultivo). Isto é de 20 a 30 gramas de glutamina diárias para um atleta de 100 kg. Ah, a glutamina diminui a resistência ou insensibilidade à insulina .
Parece que alguns acham que a glutamina é um suplemento inútil ... e há mesmo algumas pesquisas viáveis que sugerem que a faixa Gl não pode sequer absorver a Glutamina. Interessante para dizer o mínimo. Primeiro, considere que, mesmo se isto fosse assim, o revestimento do estômago é predominantemente composto de glutamina e que a maioria das pesquisas concorda que a glutamina ingerida é muitas vezes roubada pelo revestimento do estômago para a regeneração.
Se é assim, então isso significa simplesmente que não há uma redução significativa de glutamina devido ao fato de que a quantidade absorvida pelo estômago agora não precisa vir de outro lugar (como, uh, músculo?). Assim o pior cenário é que a glutamina ingerida é estocada em outros lugares no corpo.
Minha experiência pessoal é que a glutamina suplementar é bem absorvida . Baseio esta em cima de monitoramento de glicose antes e após a ingestão. Se 20g de glutamina é ingerida durante um período em que a glicemia está perto de 65 o pico dentro de 20 minutos é bastante significativo.Ou você acha que talvez isto seja apenas a magia? (Geez!)

BCAA'S (aminoácidos de cadeia ramificada)

Uma vez que BCAAs são aminoácidos essenciais deveria ser óbvio que precisamos consumir uma quantidade adequada diária. No entanto, também sabemos que BCAAs perfazem cerca de 33% das proteínas de nossos musculos. Isto sugere fortemente que para massa muscular nós atletas devemos nos esforçar para super-compensar, não apenas substituir o que foi gasto ou consumido.
Ao contrário de outros aminoácidos, BCAA são processados no fígado e metabolizados nos músculos. Outros aminoácidos são metabolizados no fígado. BCAA e insulina trabalham em conjunto para transportar outros aminoácidos dentro das células para a reparação e crescimento. Esta sinergia entre a insulina, o BCAA, e outros aminoácidos requerem que a completa fonte de proteínas fornecida tenha como fonte predominante de BCAAs.
Isso garante que não haja um elo mais fraco no processo de reparação e crescimento.O BCAA em cápsulas ou pó sejam também uma opção. Mas isto deve ser tomado com alimentos pela razão anteriormente explicada. Ingerir 6 a 8 gramas, com uma bebida de proteína / carboidrato antes de um treino pode diminuir os efeitos catabólicos do mal BCAKAD .
Ao comprar uma fonte complementar de BCAA procure por uma proporção de 76% leucina, 12 Valina%, e 12% iso-leucina. O nível mais elevado de leucina é necessário porque durante as atividades de alta intensidade, a leucina é esgotada rapidamente. Seus subprodutos são usados para criar um outro aminoácido chamado Alanina que por sua vez é metabolizada em glicose no fígado para as necessidades de energia ... ATP. (Entendeu???)

Uma observação interessante sobre esta relação 76-12-12% é que os atletas apresentam perda significativa de gordura visceral quando o utilizam. A gordura visceral é a gordura localizada na mais profunda camadas do corpo em estoques de gordura subcutânea. (Wow.)
As mulheres, especialmente tem dificuldades ao tentar perder a gordura nessas áreas. Como a dosagem diária, de 1 grama por 20 libras de peso corporal da taxa de 76-12-12% em forma suplementar é muito eficaz.

A insulina é um potente inibidor de Proteassoma

Os efeitos anti-catabólicos da insulina são bem conhecidos. Na maioria dos casos é assumido que esta qualidade pode ser atribuída a capacidade da insulina de suprimir o cortisol . Isto é verdade, mas o maior efeito anti-catabólico da insulina é a inibição da proteassoma.
Sim, mas as moléculas de insulina tem dificuldade ao tentar vincular com os seus receptores locais nas células que apresentarem baixos níveis de ATP. O treinamento diminui os níveis circulantes de insulina, enquanto aumenta a atividade da ubiquitina-proteassoma e via-BCAKAD. Bebendo uma bebida com carboidrato durante o treinamento medeia isto e mantém de certa medida a secreção de insulina elevada. Obviamente bebida um hidrato de carbono e BCAA com peptídeo de glutamina e creatina monohidratada seria mais eficaz. (Peptídeos tendem a resistir mais à quebra em soluções do que aminoácidos de forma livre)

Nota : Infelizmente, a glutamina peptídeo também se transforma em cimento se não beber rapidamente. E é muito difícil de misturar. Então, se você quer ser capaz de apreciar a sua bebida de carboidratos durante todo o treino, traga alguma L-glutamina e BCAA em pó para a academia misture em sua bebida e saboreie durante todo o treino. Apenas certifique-se de agitar antes de cada gole vez que o BCAA tende a assentar no fundo.
Alguns atletas administram 4 a 10 UI de insulina de ação rápida, como Humalog, imediatamente depois de um treino e tomam uma bebida com o seguinte:

2 a 4 g de L-arginina
50 g Whey Protein
25 g de L-glutamina (ou) Glutamina Peptídeo
10 g de Monohydrato de creatina
25 a 75g Dextrose
500 ml de Água
Os ingredientes secos devem ser pré-misturados e a água deve ser adicionada apenas imediatamente antes do consumo para evitar a degradação da L-Glutamina e creatina.

Nota: Para alguns, tomar essa quantidade de L-glutamina (25 gramas) é muito para o estômago e pode dar vontade de vomitar. Principalmente porque há um aumento de insulina maciço com 10 ou mais gramas de glutamina o que causa náusea para muitos. Adicione isto com a injeção de insulina e outros ingredientes e você pode apagar!
Hehe ... a minha sugestão é testar isso com metade da dose de glutamina e ver como se sente pela primeira vez.

Isso melhorou significativamente as taxas de regeneração de ATP / CP , enquanto inibe o catabolismo. Isso significa que todas as outras atividades dependentes de ATP celular voltam ao normal muito mais rapidamente. Suplementos como o ácido alfa-lipóico, D-pinitol, e glucosal podem ter aumentado a sensibilidade do receptor de insulina durante as drogas, tais como Glucophage





ou Avandia


0


agindo sinergicamente com a insulina para esta finalidade.

O Ácido láctico e a acidose provocam a liberação de GH. Isto é, em parte, o processo em que o corpo recruta as vias subsidiárias de energia. O GH provoca a liberação de ácidos graxos a partir de liposytes (Células de gordura) a ser utilizado como uma outra fonte de energia / ATP pelas células.

De qualquer forma, a insulina impede a liberação de GH, quando o corpo está em repouso, mas não quando o desencadeamento da via é devido à acidose.O GH e a insulina devem estar ambos presentes no fígado para a produção de IGF-1. É por isso que a liberação de GH provocada por acumulação de ácido lático não resultam em produção de IGF-1 no fígado. Pena que o treinamento reduz os níveis de insulina no sangue porque como eu disse anteriormente, ambos são necessários no fígado para a produção ou elevação de IGF-1 .

O IGF-1 pode opor-se ao proteassoma e a boa notícia é que todas as células contêm algum IGF-1 antes dos dias de treino. O ácido lático irá destruir algum deste IGF-1 e diminuir a função e atividade normal do receptor do IGF-1. Mas isso é bom, porque isso cria um Super IGF-1. (Hã?) Já iei explicar....

O IGF-1 é muito semelhante à insulina em estrutura e pode estimular os dois tipos de receptores. 10 a 15 mcg de IGF-1 injetado no músculo alvo após o treino faz parte de protocolos comuns para atletas avançados ( Hardcore ). Esta forma é muito eficaz em inibir as atividades catabólicas do cortisol, BCAKAD, e proteassoma.

Seguindo este protocolo é seguido de 3 a 5 vezes por dia através de uma série de injeções localizaas no músculo um nível significativo de IGF-1 local é o resultado obtido. Se o IGF-1 é ligado pela sua proteína de ligação, o resultado é que obtemos mais 12 horas de vida ativa.

SUPER IGF-1?

O ácido lático e acidose destroem algum IGF-1, que é bom. (Huh, de novo) Há sempre algum IGF-1 em nosso sistema circulatório e tecidos musculares dos treinos precedentes e liberação de GH e insulina. A maior parte deste IGF-1 é ligado a uma proteína chamada IGF-1-BP-3 (Binding Protein 3) e portanto, inativa.
Isso significa que ele fica na reserva esperando por alguma coisa que o liberte para que ele possa fundir-se com a seus receptores locais (ou receptores de insulina). Se o IGF-1 não foi ligado ao IGF-1-BP-3, seria rapidamente destruído por vários fatores metabólicos. O Acúmulo de ácido lático é um desses fatores que libera ou desassocia IGF-1. Alguns dos IGF-1 livre são destruídos, mas o que sobra é convertido em um "super IGF-1", de ácido lático.

Este novo produto delicioso é chamado de "Des (1-3) IGF-1






e é cerca de 1000% mais ativo do que o IGF-1! (Uau!) O recém-formado "Des (1-3) IGF-1" pode ativar os resceptores de IGF-1 danificados pelo ácido lático provocando o anabolismo enquanto inibe o catabolismo.

Hyper-Recuperação

Ao lidar com os ambientes de catabólicos do “demoníaco “ BCAKAD , o caminho Ubiquitina-proteassoma, e a inibição da formação de ATP pelo ácido lático pós-treino, a insulina é a chave principal.

Queira de fonte endógena ou exógena, uma elevação dos níveis ou atividade de insulina circulante não só significativamente prejudicam os efeitos catabólicos, mas também promovem o retorno do anabolismo para o tecido muscular afetado. A idéia é a promoção da hiper-recuperação, resultando em hiper-crescimento .

Benefícios da insulina para hiper-recuperação

1. Sinaliza para as células musculares parar a aceitação de BCAA, enquanto impede o BCAKAD (permitindo supracompensação).

2. Por desencadear o armazenamento limitante da enzima responsável pela substituição de glicogênio (síntese de Glicogênio) A insulina aumenta a síntese celular e de armazenamento de glicogênio.

3. Aumenta significativamente a aceitação celular da de creatina e outros aminoácidos necessários para a síntese de ATP, a reparação celular e crescimento.

4. Inibe a atividade e liberação excessiva de cortisol.

5. Inibe a hormônio de liberação da glicogénio (glucagon) em alguma extensão. (Dependente da dose)

6. Aumenta água celular total, o teor de electrólito no tecido muscular.

7. Inibe a atividade do proteassoma.

8. Age sinergicamente com todos os outros hormônios anabolizantes e pré hormônios como substâncias para induzir hiper-recuperação.

9. Inibe a síntese de SHBG pelo fígado, que por sua vez, resulta num aumento na bio atividade dos EAA.

• utilização inadequada de insulina endógena pode ser mortal e administração nunca deve ser realizada sem supervisão qualificada.


A CHAVE PARA A “MONSTRUSIDADE” É A SENSIBILIDADE

O Mamute tem de ser sensível. . .

A maioria dos atletas percebe um aumento líquido na massa magra líquido de 20 quilos ou mais durante uma "primeira vez" do uso de um protocolo de insulina. Após o protocolo inicial, os ganhos diminuiem com cada ciclo subsequente. Em muitos casos, os atletas chegam a um ponto onde o anabolismo da gordura excede os ganhos de massa magra.

Isso tem alguns benefícios, mas as preocupações com a saúde excedem os benefícios drásticamente. (A não ser objetivo do atleta seja ser um daqueles gordos estranhos suando em roupas de spandex em um programa de fitness tentando convencer-nos de celulite é que "é sexy ".)
Frequentemente assumem que quano maior melhor. (para repensar...)
Na verdade, a quantidade certa é perfeita. (Hã?) Ao invés de continuamente usar doses crescentes de insulina, ou de qualquer substância, alguns atletas que se tornaram verdadeiros mamutes perceberam que o problema com a redução dos resultados positivos foi muitas vezes devido à insensibilidade dos receptores.
No caso da insulina, considere como muitos diabéticos sofrem de obesidade. Tanto a gordura como as células musculares (e muitas outras células do copo) recebem um sinal anabólico da associação ocorrendo entre uma molécula de insulina e seu respectivo receptor local.
Quando células musculares do receptor de insulina tanto diminuem em número (Concentração) ou em sensibilidade, um indivíduo está qualificado como insensível à insulina.
Infelizmente células de gordura raramente têm este problema. Isto permite que um excesso de nutrientes sejam convertidos , e armazenados como gordura. Nenhum dos benefícios da hiper-recuperação superam as perdas com a insensibilidade à insulina . Mas há medicamentos, suplementos, e os fatores da dieta utilizados pelas maiores feras para superar essa insensibilidade.

AVISO: A Ciência...


Antes de discutirmos seriamente a sensibilidad dos “ Super Ciclos", devemos pelo menos saber o básico de como a insulina atua para uma resposta celular.
A molécula de insulina é muito maior do que uma molécula de androgénio. Por esta razão, não pode simplesmente fundir-se com seu recepto e entrar para o interior de uma célula. Quando uma molécula de insulina funde-se com o seu receptor celular, a liberação de outro grupo composto é acionada chamados GPI'S (Glicosilfosfatidilinositóis). Estes, por sua vez liberam um mediador composto do grupo de insulina chamado IPG (Inositol Phosphoglycans), que entram na célula e desencadeiam uma variedade de sinais para o crescimento.

Estes sinais incluem a síntese de hormônios esteróides, proteínas, e glicogênio. Eles também iniciam o transporte de aminoácidos, glicose, e certas gorduras para dentro da célula, enquanto a sinalização a síntese de novos transportadores. Este processo inteiro de insulina / GPI 's / IPG é dependente de uma reação chamada hidrólise para que ocorra normalmente.
Esta explicação básica acima deve fornecer a percepção de que vários substratos devem estar disponíveis a nível celular para proporcionar materiais de construção para GPI e IPG, bem como para agir como mediadores. Se não, então ocorre a insensibilidade ou resistência à insulina. Isso significa um esforço sincero em limpar a dieta, e alguns bem escolhidos suplementos para todos os mamutes insensíveis.

(Existem medicamentos para pessoas insensíveis)

Existem vários medicamentos prescritos pelos médicos para indivíduos com insensibilidade à insulina , como diabéticos. Atletas perceberam que essas drogas oferecem um recondicionamento dos efeitos
sobre a relação músculo e gordura em favor de ganho muscular e perda de gordura.
Além disso, as drogas atuam para aumentar a sensibilidade à insulina de células receptoras musculares locais, enquanto que uma diminuição da sensibilidade das células de gordura. O resultado é uma diminuição na dosagens utilizadas de insulina durante protocolos e um retorno do progresso para os atletas. O Objetivo é restaurar a eficência da insulina.


Medicamentos prescritos para insensibilidade à insulina


• Avandia (maleato de rosiglitazona)
• Actose (pioglitazona HCL)
• Glucophage (cloridrato de metaformina)

Existem vários outros, mas estas são as drogas mais comumente encontradas para a tratamento da resistência ou insensibilidade à insulina Deve notar-se que a maioria das drogas utilizadas para o tratamento desta condição exigir 12 semanas de uso contínuo para alcançar efeitos máximos. Isto, obviamente, é muito benéfico para os atletas com uma meta de longo prazo de progresso contínuo, como veremos mais adiante.



Helcio
ATLETA

Mensagens : 33
Data de inscrição : 02/02/2013
Idade : 52
Localização : Curitiba

http://pequenomamute.com.br/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum